Fiocruz alerta para alta taxa de ocupação de leitos de Covid-19 no Brasil

Foto: reprodução Internet

Estadão Conteúdo

Diante da falta dos dados que são usados para análise da evolução da pandemia, o Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) emitiu nesta sexta-feira, 7, um boletim extraordinário com um único indicador: a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados a adultos com covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS). Para os pesquisadores, o momento atual, com o crescimento rápido de casos da variante Ômicron, desenha um novo cenário epidemiológico.
https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?client=ca-pub-4663753467999594&output=html&h=375&slotname=9141170843&adk=1852290397&adf=1842342179&pi=t.ma~as.9141170843&w=360&lmt=1641610242&rafmt=11&psa=0&format=360×375&url=https%3A%2F%2Fwww.istoedinheiro.com.br%2Ffiocruz-alerta-para-alta-na-ocupacao-de-leitos-de-covid-19-no-brasil%2F&flash=0&fwr=1&wgl=1&uach=WyJBbmRyb2lkIiwiNy4wIiwiIiwiTEctTTMyMCIsIjkwLjAuNDQzMC45MSIsW10sbnVsbCxudWxsLG51bGxd&dt=1641610426891&bpp=36&bdt=3867&idt=4467&shv=r20220104&mjsv=m202112060101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3De688d439a4c6b1c5%3AT%3D1641610426%3AS%3DALNI_MbCfWYkl6oWHRhd0XxWG05HpoVsFg&prev_fmts=0x0&nras=1&correlator=3374399730531&frm=20&pv=1&ga_vid=74650526.1641610425&ga_sid=1641610425&ga_hid=134635130&ga_fc=1&rplot=4&u_tz=-180&u_his=17&u_h=640&u_w=360&u_ah=640&u_aw=360&u_cd=24&u_sd=2&dmc=2&adx=0&ady=693&biw=360&bih=469&scr_x=0&scr_y=199&eid=31063752%2C44750774%2C44753658&oid=2&pvsid=4184354153871876&pem=696&tmod=630&ref=https%3A%2F%2Fwww.google.com%2F&eae=0&fc=1920&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C360%2C0%2C360%2C573%2C360%2C573&vis=1&rsz=%7C%7CpoeEbr%7C&abl=CS&pfx=0&fu=128&bc=31&ifi=7&uci=a!7&btvi=1&fsb=1&xpc=Pp5jUCpuDU&p=https%3A//www.istoedinheiro.com.br&dtd=4520

Em comparação com os registros obtidos em 20 de dezembro de 2021, os dados relativos a 5 de janeiro de 2022 mostram aumento relevante no número de pacientes internados nesses leitos.

Comparações desse indicador entre unidades federativas e por unidade federativa no decorrer do tempo mostram-se mais complexas. Entre os Estados, destacam-se Tocantins (23% para 62% de ocupação) e Piauí (47% para 52%). Nas capitais, chamam a atenção as taxas críticas observadas em Fortaleza (85%), Maceió (85%) e Goiânia (97%), e as taxas na zona de alerta intermediário em Palmas (66%), Salvador (62%) e Belo Horizonte (73%). Também há um “estranhamento” diante das taxas do Estado do Rio de Janeiro e de sua capital, que se mantêm relativamente estáveis e em níveis muito inferiores àqueles observados nas demais unidades federativas.null

A análise destaca ainda a necessidade de acesso, transparência e divulgação das bases de dados e informações para produção de evidências que permitam, por exemplo, indicar o isolamento de pessoas infectadas, restringir contatos e apontar tendências da pandemia, por meio de alertas precoces.

O boletim destaca que, além da nova variante Ômicron, caracterizada até o momento pela alta taxa de transmissão e baixa letalidade e que vem rapidamente se disseminando no País, o cenário atual conta com uma epidemia de influenza pelo vírus H3N2. Os pesquisadores do Observatório Covid-19 Fiocruz, responsáveis pelo boletim, observam que a maior circulação de pessoas e a realização de eventos com aglomeração durante o fim de 2021 contribuem para impactar negativamente a dinâmica da pandemia e a capacidade de enfrentamento, com impactos sobre a saúde da população e o sistema de saúde.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022
https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?client=ca-pub-4663753467999594&output=html&h=375&slotname=9141170843&adk=1852290397&adf=3828634993&pi=t.ma~as.9141170843&w=360&lmt=1641610242&rafmt=11&psa=0&format=360×375&url=https%3A%2F%2Fwww.istoedinheiro.com.br%2Ffiocruz-alerta-para-alta-na-ocupacao-de-leitos-de-covid-19-no-brasil%2F&flash=0&fwr=1&wgl=1&uach=WyJBbmRyb2lkIiwiNy4wIiwiIiwiTEctTTMyMCIsIjkwLjAuNDQzMC45MSIsW10sbnVsbCxudWxsLG51bGxd&dt=1641610426927&bpp=20&bdt=3902&idt=5449&shv=r20220104&mjsv=m202112060101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3De688d439a4c6b1c5%3AT%3D1641610426%3AS%3DALNI_MbCfWYkl6oWHRhd0XxWG05HpoVsFg&prev_fmts=0x0%2C360x375&nras=1&correlator=3374399730531&frm=20&pv=1&ga_vid=74650526.1641610425&ga_sid=1641610425&ga_hid=134635130&ga_fc=1&rplot=4&u_tz=-180&u_his=17&u_h=640&u_w=360&u_ah=640&u_aw=360&u_cd=24&u_sd=2&dmc=2&adx=0&ady=2614&biw=360&bih=469&scr_x=0&scr_y=199&eid=31063752%2C44750774%2C44753658&oid=2&pvsid=4184354153871876&pem=696&tmod=630&ref=https%3A%2F%2Fwww.google.com%2F&eae=0&fc=1920&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C360%2C0%2C360%2C573%2C360%2C573&vis=1&rsz=%7C%7CpoeEbr%7C&abl=CS&pfx=0&fu=128&bc=31&ifi=8&uci=a!8&btvi=2&fsb=1&xpc=9R8JNSutEQ&p=https%3A//www.istoedinheiro.com.br&dtd=5481

“O enfrentamento de uma pandemia sem os dados básicos e fundamentais pode ser comparado a dirigir um carro em um nevoeiro, com pouca visibilidade e sem saber o que se pode encontrar adiante. Além disso, vai na contramão de outros países, que passaram a produzir e disponibilizar dados de modo público e transparente para melhor compreender e enfrentar a dinâmica da covid-19”, ressaltam.

Fundamental em todo período da crise e colapso da saúde em 2021, a taxa ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no SUS é o único indicador disponível até o momento para a elaboração do boletim. Os indicadores de leitos abordam uma das etapas da infecção e evolução dos casos – a última e mais grave é o óbito, informação que não se encontra em função do “apagão” de dados.

Quatro Estados encontram-se na zona de alerta intermediário e 21 Estados e o Distrito Federal encontram-se fora da zona de alerta. Entre as capitais, três estão na zona de alerta crítico: Fortaleza (85%), Maceió (85%) e Goiânia (97%). Três estão na zona de alerta intermediário: Palmas (66%), Salvador (62%) e Belo Horizonte (73%). As demais, com taxas divulgadas, estão fora da zona de alerta: Porto Velho (44%), Rio Branco (10%), Manaus (34%), Macapá (40%), São Luís (30%), Natal (34%), João Pessoa (32%), Vitória (56%), Rio de Janeiro (2%), São Paulo (35%), Curitiba (46%), Florianópolis (42%), Porto Alegre (57%), Campo Grande (47%), Cuiabá (36%) e Brasília (57%).

Segundo os pesquisadores, as taxas observadas não são comparáveis àquelas verificadas no pior momento da pandemia, há quase um ano, considerando a redução no número de leitos destinados à Covid-19. Ainda é precoce, desta forma, afirmar que há uma nova pressão sobre os leitos de UTI, baseado apenas nos dados disponíveis e apresentados aqui. Entretanto, cabe manter a atenção sobre a evolução do indicador, alertam.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s